terça-feira, 5 de julho de 2016

E se cada cor de chapéu transformasse o nosso pensamento?

A principal dificuldade de pensar é a confusão. Por vezes, algumas vezes, muitas vezes tentamos fazer demasiadas coisas de uma só vez e pensar em tudo e tomar decisões, tendo em conta a informação concreta que se tem, tentar encontrar a lógica dessa informação, juntamente com a parte emocional, a esperança e a criatividade – é como fazer malabarismo com demasiadas bolas. Contudo, cada elemento tem um  espaço e a sua função, e é importante sabermos como equilibrar de forma harmoniosa estes aspectos e ver as coisas de várias formas é, muitas vezes, essencial em processos de tomadas de decisões complexas.

Com a sua forma prática de tomar decisões e explorar novas ideias, Edward de Bono, criou o Método dos Seis Chapéus de Pensamento, e em muitas situações do nosso dia-a-dia, poderá permitir-nos pensar melhor, utilizando o chapéu mais adequado para cada situação.

Conseguirmos num determinado momento separar a emoção da lógica, a criatividade da informação objectiva, pode-nos ajudar a conseguir encontrar pensamentos e soluções alternativas mais construtivas e eficazes.

O Método dos Seis Chapéus de Pensamento permite-nos dirigir o nosso pensamento, tal como um maestro faz com a sua orquestra; podemos decidir qual o instrumento a tocar num determinado momento e num outro, de forma a tornar a melodia mais harmoniosa. E conseguirmos fazer isso, ajuda a desviarmo-nos do caminho conhecido e assim a pensarmos de maneira diferente sobre um tema / problema.

Então, quem se aventura a experimentar este método?
Sugiro que cada um de nós pense num problema, numa dificuldade, em algo que tenha que decidir e não saiba o que fazer... Já pensámos? Então agora vamos experimentar imaginar que colocamos chapéus e vamos estar durante alguns minutos com cada um deles. Ao usar cada determinado chapéu pensante, vamos assumir papéis "como se" tivéssemos uma determinada perspectiva.

Vamos colocar o Chapéu Branco - Com este chapéu do pensamento, vamo-nos focar nos dados / informações disponíveis. Vamos olhar para a informação que temos e verificamos o que podemos aprender com ela. Observamos que falhas existem no conhecimento e tentamos preenchê-las ou tê-las em conta. É neste momento que analisamos as tendências passadas e tentamos extrapolar sobre dados históricos.
Agora vamos colocar o Chapéu Vermelho – Este chapéu vai fazer-nos olhar para o problema utilizando a intuição, a reacção instintiva e a emoção. Também será importante que tentemos pensar como é que as outras pessoas poderão reagir emocionalmente. Vamos tentar compreender as respostas dos outros que não conhecem as nossas razões.
De seguida colocamos o Chapéu Preto: Com este chapéu vamos olhar para todos os pontos negativos da decisão. Tentamos ver onde é que pode não funcionar, o que pode correr mal. Isto é importante porque destaca os pontos fracos, permitindo eliminá-los, alterá-los ou preparar planos de contingência para combate-los. Este chapéu ajuda-nos a fazer planos mais resistentes e mais resilientes.
De seguida colocamos o Chapéu Amarelo: Este chapéu ajuda-nos a pensar positivamente. É o ponto de vista optimista que nos ajuda a ver os benefícios da decisão e o valor desta. Este chapéu ajuda-nos a continuar quando tudo à nossa volta parece difícil.
E agora colocamos o Chapéu Verde: Este chapéu é o da criatividade. É aqui que podemos desenvolver soluções criativas para um problema. É uma maneira exuberante de pensar, onde há poucas críticas às ideias apresentadas. Existem várias ferramentas de criatividade (por exemplo: brainstorming, brainwriting) que nos podem ajudar.
Por fim colocamos o Chapéu Azul: Este chapéu representa o controlo do processo. Habitualmente este chapéu é utilizado pela pessoa que preside a uma reunião. Quando nos deparamos com dificuldades devido à falta de ideias, este chapéu pode ajudar a dirigir a actividade para o Chapéu do Pensamento Verde. Quando são necessários planos de contingência, ele pode pedir opinião ao Chapéu do Pensamento Preto, etc.

Alguns de nós, pensamos de forma racional e isso permite-nos ter pontos de vista muito positivos e por isso também são pensamentos muitas vezes, bem-sucedidos. Contudo, podemos falhar quando não olhamos para os problemas de maneira emotiva, intuitiva, criativa ou negativa. Isto significa que podemos falhar ao não darmos saltos criativos e ao não elaborarmos planos de contingência. De forma idêntica, os mais pessimistas também podem ser excessivamente defensivos e pessoas mais emocionais, e falham ao olharem para as decisões de forma pouco calma e racional.

Se olharmos para um problema através da técnica dos Seis Chapéus do Pensamento, podemos resolvê-lo utilizando todas as perspectivas. As decisões e planos tomados irão ter uma mistura de ambição, competências na execução, sensibilidade, criatividade e um plano de contingência.

Os principais benefícios do método dos Seis Chapéus de Pensamento são:
- Permitir pensar algo sem risco,
- Consciencialização sobre a existência de diversas perspectivas no assunto,
- Mecanismo útil para "mudar perspectivas",
- Regras para o jogo de pensamento,
- Concentração,
- Criação de mais pensamentos criativos,
- Melhor tomada de decisões.

Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Sem comentários:

Publicar um comentário