terça-feira, 13 de setembro de 2016

E cá vamos nós... Uma nova fase: entrada para a universidade numa nova cidade!

Por mais imaginação que se tenha, ideias e expectativas que se criem, e até mesmo com algumas partilhas de experiências de alguém que já tenha passado por esta fase, a verdade é que será sempre diferente: a entrada para a universidade numa nova cidade!

No início vai sempre parecer um caos, uma nova etapa cheia de independência (logo, uma maior necessidade de responsabilidade): uma cidade nova que muitas vezes não se conhece (encontrar casa, conhecer os transportes), novos professoras, disciplinas muito diferentes, novos colegas, necessidade de gerir o dinheiro, necessidade de aprender a cozinhar, fazer amigos... Muitas novas dinâmicas, necessidade de adaptação!

O ser humano tem uma grande capacidade de se adaptar a novas realidades, contudo é importante aceitarmos que o início vai ser sempre um pouco difícil, mas, há medida que vão surgindo dinâmicas mais habituais (um horário fixo, um quarto mais ou menos organizado) e uma rotina é criada, a situação vai-se tornando menos assustadora.

Talvez seja importante percebermos o que podemos fazer para facilitarmos um pouco essa nova etapa e para isso, é importante conhecermos as nossas características pessoais e aproveitarmos no que podemos ser bons e maximizar essas características.

Efectivamente chegar a uma nova cidade, muitas vezes sozinho, fazer amigos neste contexto pode parecer um pouco difícil, mas a verdade é que vão surgir imensas oportunidades de conhecer pessoas. Por exemplo:
- Dividir casa com mais colegas (há sempre imensos anúncios nas faculdades com pessoas na mesma situação que procuram pessoas para dividir casa), e para além de ficarem mais em conta todos os gastos, também se conhecem pessoas,
- Ir às actividades de integração que as faculdades e as associações de estudantes organizam. Aí dá para conhecer muitas pessoas (caloiros e não só),
- Ir aos jantares de curso,
- Escolher algum desporto escolar, ou alguma outra actividade como hobby,
- ir às aulas e fazer os trabalhos de grupo, que para além de ser importante para o rendimento escolar, também serve para conhecer os colegas  de curso.

Se adoptarmos uma postura aberta e nos mantivermos curiosos, de uma forma muito natural e espontânea, vamos conhecer muitas pessoas nesta fase. Em todas as actividades que se faça, se a postura for de abertura, podem-se conhecer pessoas nos transportes públicos, nos supermercados, porque na verdade há imensas pessoas nesta mesma situação, com vontade de conhecer pessoas novas!

As pessoas mais tímidas podem sentir uma maior dificuldade em se envolverem nestas actividades. Contudo, as pessoas tímidas também têm a capacidade de fazer novos amigos, não sendo essa característica apenas exclusiva das pessoas extrovertidas. Assim, se ao sermos mais tímidos e pensarmos que no início não conseguimos tomar a iniciativa de falar e de avançar com alguma ideia, podemos sempre mostrar-nos disponíveis, abertos, sorridentes, e é essa a postura que faz com que as pessoas se aproximem de nós.


A ClaraMente deseja a todos os jovens universitários muita força e vontade de aprender cada dia com alegria e confiança!

Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Sem comentários:

Publicar um comentário