terça-feira, 5 de abril de 2016

Respiração consciente: uma aliada na gestão do stresse


Logo no primeiro momento de vida, aprendemos a respirar. Provavelmente é essa a razão da respiração ser tão automática, que acaba por ser negligenciada no nosso dia-a-dia. A respiração é essencial para a qualidade de vida e não pode ser negligenciada. A respiração é automática, mas uma respiração ao se tornar consciente pode ser nossa aliada nas situações de maior stresse e ansiedade.
Nos tempos que correm, existe uma constante exigência por parte da sociedade e são tantos os compromissos e deveres que é essencial conseguirmos aliviar os sintomas físicos e emocionais do stresse de um modo natural. Às vezes, tudo parece ser demais: um patrão exigente, uma voz de uma colega mais aguda, o carro a ter que ir ao mecânico, alguém que nos está constantemente a telefonar, o autocarro que nunca mais chega, sentimos que existe uma facilidade de nos irritarmos e de nos sentirmos incomodados. Nestes momentos, podemos ter uma grande aliada para nos aliviar destas sensações desagradáveis: a respiração consciente. Segundo Ana Berenguer, psicóloga e membro da International Breathwork Foundation (http://www.ibfnetwork.com), o nosso organismo tem um sistema autónomo para obter o oxigénio e adequa-se a cada momento, mas nós podemos modificar a nossa respiração para controlar o sistema nervoso e o ritmo cardíaco, melhorando assim o nosso bem-estar.

Agora vamos a algo mais prático. Como está a sua respiração hoje? Está rápida ou lenta? Curta ou longa? Por breves minutos, sem a tentar modificar, apenas estando atento à sua respiração, aperceba-se qual o ritmo e como a está a fazer. Sinta o ar a entrar nas narinas e os pulmões a encherem-se de ar. Ao fazer este exercício, mesmo que outros pensamentos invadam a sua mente, volte a sua atenção novamente para a sua respiração. Continue focado nas sensações, sinta os pulmões a esvaziarem-se à medida que o ar vai saindo das suas narinas. Como é estar focado e atento na sua respiração? Ao estarmos atentos à nossa respiração, podemos aliviar as sensações desagradáveis de tensão e de stresse, através de uma respiração consciente. A nossa respiração tem um grande impacto no nosso estado mental e físico, vamos pensar nisso? Convido-vos a experimentar este exercício 3 minutos por dia.

Existem duas formas para colocarmos ar nos pulmões: com a barriga para dentro, peito para fora, que é a respiração torácica, ou então através do diafragma, que é a respiração abdominal. Quando enchemos o peito de ar, encolhemos a barriga, usamos apenas a musculatura do tórax. Este é o tipo de respiração de quem está a fazer um exercício físico intenso. E é também o tipo de respiração de quem está sob pressão. Já a respiração diafragmática ocorre em situações de calma e, muito importante, é capaz de diminuir uma reacção de alarme. O diafragma é o músculo que separa o abdómen do tórax, e pode ser controlado com um mínimo de atenção.

Os sintomas físicos da ansiedade podem ser desencadeados por hiperventilação e respiração superficial (respiração curta e rápida), que aumenta os níveis de oxigénio e reduz a quantidade de dióxido de carbono no sangue. O dióxido de carbono auxilia na regulação da reacção do corpo à ansiedade e pânico. Devemos aprender a respirar pelo diafragma e sobretudo ter uma respiração consciente, onde a barriga se expande quando se inspira. Para termos a certeza de que estamos a respirar correctamente, colocamos uma mão sobre o abdómen e outra no peito. A respiração mais correcta significa mover o abdómen, em vez do peito.

Se vamos fazer uma apresentação oral, um exame ou vamos a uma entrevista de trabalho, é natural estarmos ansiosos, contudo o focarmos em breves minutos a nossa total atenção na nossa respiração, ajuda a acalmar e a relaxar. Se estamos numa situação já de tensão e de ansiedade, para não permitirmos que essa tensão se eleve ainda mais, ao tentarmos focar a nossa atenção total na respiração, vai ajudar.nos,

Existem algumas práticas físicas que ajudam a desenvolver um maior controlo da respiração, tais como yoga, pilates, natação, tai chi chuan e mindfulness, como também aulas de música com instrumentos de sopro e canto. Mas o estar consciente da forma como se respira durante qualquer prática respiratória é mais importante do que a própria prática em si.

Vamos experimentar uma vez por dia este exercício da respiração consciente?

Sem comentários:

Publicar um comentário