domingo, 10 de abril de 2016

A Relação Fraterna...da Rivalidade à Cooperação entre Irmãos





Ontem, dia 10 de Abril, assinalou-se o Dia dos Irmãos, nos Estados Unidos da América, O National Sibling Day.
Durante várias décadas, o foco da investigação incidiu nas dinâmicas relacionais entre pais e filhos e só mais recentemente é que a relação fraterna tem sido estudada e avaliada. Atualmente, é inegável que a relação entre irmãos tem de facto uma influência considerável no nosso desenvolvimento social e emocional enquanto adultos.
No entanto, a qualidade do vínculo entre os irmãos, depende dos pais e da forma como fomentam a proximidade relacional entre os irmãos desde o início, incentivando o envolvimento, o respeito mútuo, a cooperação e a gestão dos problemas.
Cabe aos pais mostrar aos filhos que cada um tem o seu lugar na família, de modo a ajudá-los a superar as situações de competição, ciúme e rivalidade, sendo por isso de evitar a comparação entre irmãos.
A vida na fratria vai possibilitar  a cada criança experimentar a socialização antes de vivenciá-la na realidade externa (creche, escola) sendo por isso fundamental a existência  de regras e limites por parte das figuras parentais. Os irmãos acabam por se constituírem como agentes socializadores por excelência, com os quais se aprende a dividir, fazer concessões, perseverar, negociar, enfim a viver em sociedade.
As crianças que crescem como filhas únicas podem não ser necessariamente menos competentes socialmente do que as que crescem com os irmãos, mas têm uma probabilidade maior de desenvolver as habilidades sociais através de amigos. Neste caso, os pais podem encorajar os seus filhos a desenvolver relações  próximas com os primos e/ou com os filhos dos amigos, o que acaba por lhes permitir desenvolver competências sociais que provavelmente não adquiririam se estivessem limitadas à interacção com os pais e outros adultos.
Apesar das pequenas guerrinhas e às vezes dos gritos, a relação entre irmãos e a cumplicidade entre eles fazem com que as crianças nunca se sintam sozinhas e sobretudo, aprendam a partilhar desde brinquedos a sentimentos. 
De modo a promover a solidariedade e a amizade entre os irmãos, diminuindo a rivalidade fraterna, os pais poderão adotar algumas das seguintes estratégias:
  • Não faça comparações entre irmãos, evitando qualquer manifestação de favoritismo: cada filho deve ser estimulado a melhorar em relação aos seu próprio desempenho, não em relação ao do irmão;
  • Garanta que os seus filhos saibam que são igualmente amados, pelas suas diferenças e qualidades únicas, para que eles próprios se sintam bem com as suas características e também aceitem as diferenças dos demais;
  • Crie um “dia do filho único” e faça programas em separado, proporcionando momentos de partilha com cada filho individualmente;
  • Promova espaços de convívio e atividades conjuntas que irão reforçar a relação entre irmãos mas também respeite o espaço individual de cada um, nomeadamente os interesses, os amigos, as atividades e a vida particular de cada um;
  • Não tome partido nas divergências entre os irmãos, ouvindo sem julgar;
  • Incentive os seus filhos a procurarem estratégias de resolução de conflitos.  Os pais devem posicionar-se como mediadores, promovendo a partilha de pontos de vista e emoções
  • Se uma rivalidade se tornar excessiva intervenha rapidamente e de forma firme, definindo os limites e clarificando que em nenhuma circunstância é admissível magoar o outro;
  • A atenção dos pais deve privilegiar os momentos em que há interações positivas e adequadas, elogiando a capacidade das crianças partilharem brincadeiras e trabalharem em equipa.


"Ter um irmão é ter, para sempre, uma infância lembrada com segurança em outro coração."
Tati Bernardi




Sem comentários:

Publicar um comentário