terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Recomeços... com sabedoria

Recomeça... se puderes, sem angústia e sem pressa e os passos que deres, nesse caminho duro do futuro, dá-os em liberdade, enquanto não alcances não descanses, de nenhum fruto queiras só metade.”  Miguel Torga


Nesta altura do ano, é inevitável não se pensar ou não se falar em finais e retrospectivas, mas também em recomeços, novos objectivos e metas. Inevitável, nem que seja pelas notícias da televisão e jornais ou pelas 12 passas que alguns obrigatoriamente têm que comer à meia-noite na passagem de ano.

Por estes motivos, porque não pensarmos então realmente num recomeço (apesar de cada dia que nasce ser um recomeço), já que a última folha do calendário vai cair? Mas num recomeço diferente. Não num recomeço de uma página / livro em branco, mas num recomeço de um novo capítulo dando continuidade ao anterior. Um recomeço com consciência das nossas dificuldades, das nossas limitações, do nosso passado, das nossas feridas, das nossas aprendizagens... É essa consciência que nos faz ser capaz de criar objectivos e metas realistas para o ano seguinte, sem chegarmos a Fevereiro frustrados, pelas resoluções do novo ano já terem ido por água abaixo...

A consciência sobre nós próprios faz-nos ser capazes de escolher as metas para o próximo ano que encaixem mais no que desejamos e no que nos faz mais felizes. Ao mesmo tempo que ao nos conhecermos melhor, também sabemos melhor escolher os caminhos que queremos percorrer para atingir essa meta. Quanto mais em sintonia e harmonia estivermos connosco próprios, mais facilmente os objectivos vão sendo concretizados, não porque os problemas ou obstáculos não surjam, mas porque sabemos que vão surgir (tal como em todos os anos anteriores) mas que ao os aceitarmos com naturalidade, menor sensação de angústia e frustração vamos sentir.

Ao olharmos para um futuro em construção constante, ao mesmo tempo que a nossa própria (re)construção vai sendo feita e/ou fortalecida, podemos sentir mais facilmente espaço para sermos e construirmos de forma mais livre o que realmente nos faz sentido e nos faz feliz. Passando por situações que escolhemos, com vontade de aprender, mas também aceitar situações novas que surgem, mas que podem ser abraçadas e vividas de forma positiva, retirando aprendizagens e o acumular dessas aprendizagens facilita-nos a recomeços... com sabedoria.



A equipa da ClaraMente deseja um Novo Ano cheio de recomeços com sabedoria e Bem-Estar Emocional!

Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Sem comentários:

Publicar um comentário