terça-feira, 30 de janeiro de 2018

A arte de perder o tempo, que não se perde

Liniers ou Ricardo Liniers Siri (nascido em Buenos Aires em 15 de Novembro de 1973), é um cartoonista reconhecido na Argentina, como também a nível mundial.

Hoje decidi partilhar o seu cartoon mais recente, e podermos reflectir nesta relação tão simples entre Enriqueta - uma miúda curiosa sobre a vida e o que a rodeia, e o seu amigo Fellini - o  seu gato. Pequenos diálogos, simples, com poucas palavras, mas tão ricos, proporcionando reflexões importantes.

Hoje sugiro a reflexão sobre o tempo... sobre esse tempo que não se perde, mesmo que não se esteja a fazer nenhuma actividade ou tarefa. O tempo que não se perde, tal como Enriqueta refere, "é o tempo que os meus pensamentos usam para viajar livres pelo meu cérebro".

Numa sociedade onde o fazer, fazer, fazer, impera! Onde há uma pressão constante por desempenhos excelentes e uma rentabilidade máxima. Onde o fazer nada passou a ser visto negativamente; numa urgência constante em responder às expectativas pessoais e sociais, gerando-se assim as condições óptimas para o desenvolvimento de quadros de stress, mal estar e insatisfação...

Por isso, hoje sugiro ouvirmos a Enriqueta...

Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Sem comentários:

Publicar um comentário