segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Mental – o Festival que leva a Saúde Mental a todos




Decorreu na semana passada, de 9 a 12 de Novembro a primeira edição do Mental – Festival de Saúde Mental, cujo propósito pretende combater o tabu e o estigma que envolve a saúde mental, trazendo-a à discussão popular através do cinema, das artes e da informação.
Esta foi uma iniciativa inédita em Portugal, inspirada pela dinâmica do festival escocês SMHAFF – Scottish Mental Health Arts and Film Fest – que tem mais de uma década e que conta com provas dadas no que respeita à importância de incrementar uma abordagem destigmatizada da saúde mental.
Este festival pretende que a saúde mental deixe de ser um tema confinado às esferas institucionais ou debatido apenas ocasionalmente ou em situações específicas e que passe a ganhar a mesma visibilidade publica e destaque que os temas relacionados com a saúde física, já que ambas as dimensões se relacionam com o ser humano e são igualmente importantes.
Este primeiro Mental contou com documentários premiados pelo IFF – Internacional Film Fest - e filmes relacionados com as temáticas escolhidas para este ano: Borderline, Prevenção, Alheimer e Alccolismo. Destacaram-se ainda as M-Talks com convidados de renome nas várias áreas cientificas e pedagógicas.
O grande mérito deste festival é levar os temas da saúde mental a todas as pessoas exactamente porque este é um tema que diz respeito a todos nós e não apenas a alguns.
 Disponibilizando informação e promovendo o esclarecimento, a compreensão e a educação do grande púbico, o festival procura incrementar a mudança de mentalidades, erradicando o estigma e o preconceito ainda muito associado à doença mental e que, em muitas famílias, se traduz na tendência para esconder ou ignorar o problemas, pelo medo da rejeição. Neste silêncio, muitos são os casos de pessoas cujos quadros clínicos se agravam e que não procuram ajuda, o que se constitui como uma barreira na recuperação e no risco de isolamento. Numa situação de crise ou de perda significativa, o risco de desenvolvimento de uma doença do foro mental é uma realidade e a existência de suporte familiar e social é fundamental, nomeadamente na procura de tratamento especializado e atempado determinante para uma recuperação efetiva. 
O Mental procura tornar as pessoas mais atentas, conscientes e informadas, visando abolir conceitos errados e transformar a relação das pessoas com a saúde mental,  nomeadamente no que respeita à identificação de sinais de alerta e diagnóstico precoce, à procura dos serviços de saúde e tratamento adequados, à sensibilização quanto à importância do suporte social e familiar, assim como da comunidade em geral na criação de condições para a reinserção destas pessoas na vida ativa, como membros produtivos, auto-confiantes e capazes de desenvolverem todo o seu potencial.



Sem comentários:

Publicar um comentário