terça-feira, 25 de abril de 2017

A Autocensura na Privação da Liberdade Individual



Esta é por excelência a semana para refletirmos no conceito “Liberdade”.
Fez ontem precisamente 43 anos que caía o regime ditatorial em Portugal para dar lugar à democracia, passando os portugueses a usufruir de liberdade de expressão.
Contudo, os mecanismos de autocensura aos quais muitos de nós estamos sujeitos conseguem exercer uma fiscalização e uma punição ainda mais rigorosas que qualquer instituição externa de ordem social ou religiosa, não nos permitindo o usufruto em pleno da nossa liberdade individual. Quando assim é, impera a renúncia das próprias vontades, desejos e opiniões por medo da rejeição e do julgamento.
O indivíduo interioriza que só é aceite e amado enquanto for um prolongamento do desejo do outro e corresponder às suas expetativas. Embora esta possa ter sido uma vivência  experienciada precocemente na infância e indutora de sentimentos de zanga e revolta, a criança, frequentemente para proteger as figuras amadas da sua zanga, acaba  por dirigi-la contra si mesma, dando lugar à auto-recriminação.
A culpa decorrente destes impulsos agressivos em relação às figuras amadas, motiva a necessidade de punição, sendo responsável por perpetuar o impulso inconsciente para o sofrimento pela forma de auto-recriminações e auto-punições que se traduzem frequente em quadros de depressão, ansiedade ou somatização.
A psicoterapia pretende libertar o indivíduo destas amarras interiores, pelo reconhecimento e pela vivência dos sentimentos reprimidos no aqui-e-agora, possibilitando a elaboração dos conflitos não resolvidos do passado e que estão muitas vezes na origem da repetição de padrões relacionais disfuncionais.
Clinicamente, a compulsão à repetição é entendida como um processo inconsciente pelo qual o indivíduo tende a repetir situações aflitivas e padrões relacionais disfuncionais, com a finalidade de dominar a experiência traumática. Nas palavras de Freud: “O que permaneceu incompreendido retorna; como uma alma penada, não tem repouso até encontrar resolução e libertação”.
Para cessar essa necessidade de repetir o trauma importa a consciencialização e a expressão dos sentimentos reprimidos, relacionados com o sofrimento vivenciado.
Neste semana em que comemoramos a conquista da liberdade, não  esqueçamos o papel da psicoterapia no desenvolvimento da liberdade emocional do indivíduo, capacitando-o para vencer as forças opressoras que o impedem de se conhecer verdadeiramente, de se aceitar e de ser feliz. Só a verdade liberta e abre a possibilidade para uma vida plena e criativa.


Sem comentários:

Publicar um comentário